Depression Diaries 7

Padrão

Dear Diary….

Bem, faz tempo que não apareço por aqui… Eu fui para São Paulo, a trabalho, fiquei uma semana lá. Salão do Turismo, um evento gigante com stands de todos os destinos do país e muita coisa interessante. E, São Paulo, claro, uma cidade gigantesca, com um monte de coisas para se fazer. Foi uma experiência interessante, me deixou cansada, mas, também me tirou do ciclo depressivo um pouco…

De qualquer forma, estou aqui de volta. Mais pobre, com uma melissa a mais, 60 ímãs de geladeira a mais, umas esculturas de madeira muito bonitinhas que eu comprei no stand de MG do Vitrines do Brasil (morro de vontade de conhecer o sul de Minas e essas esculturas são de uma cidade chamada Monte Verde) e muito trabalho pela frente…

Voltando a rotina me volta um pouco daquele sentimento de estafa mental. Ainda estou tentando superar tudo isso. Estou gostando muito da minha terapia, e a dessa semana  me fez chorar muito. É estranho, eu tenho uma desconexão bizarra com meus sentimentos ultimamente. Faz tempo, na verdade. Eu não consigo entender porque eu sinto algumas coisas, ou me conectar com sentimentos que eu sei que já tive. Terapia me faz sentir coisas de novo e ter contato com elas.

Eu estou querendo mudar meus remédios de novo. Ficou mais caro, mas não ficou melhor em comparação com a receita de antes. E eu sempre penso se minha relutância a voltar pra fluoxetina não é bobagem minha. Talvez me desse energias para aguentar o dia a dia.

O principal pra mim vem sendo a necessidade de me disciplinar para me exercitar e escrever. Eu vou começar a correr com a minha irmã, ela treina com um grupo que faz um monitoramento do treinamento, ajuda no alongamento e ainda tem um posto com água. Antes eu achava bobagem

porque eu poderia fazer tudo isso de graça, mas, depois de mais de um mês tentando levantar da cama pra caminhar e não tendo a força de vontade mínima necessária, eu resolvi, hoje, começar esse treinamento.

Choveu. Em Goiânia. Em Junho. Milagre da vida.

Mas, eu fui. E gostei. Espero ir caminhar amanhã também. E depois. E depois…

Escrever… Depois desse post acho que vou trabalhar nisso. Estou pensando em reservar uma hora por dia de semana e duas em fins de semana para meus livros. Fazer brainstorming, escrever de verdade, escrever e reescrever, escrever backgrounds. Whatever. Vai ter que ser a hora dos meus livros e não só de pensar na história (isso eu faço o TEMPO INTEIRO) mas para colocar isso no concreto.

Depois eu conto pra vocês se está dando certo….

Anúncios

»

  1. Eu me identifico com vários dos sentimentos que você descreve, inclusive com a falta de contato com os próprios sentimentos. Acho que já conversamos sobre isso, né?

    Bem… desejo-te a sorte dos verdes, e um bocado de felicidade.

    Abraços do Verde.

  2. Se pararmos para analisar a vida de muitos, principalmente em livros dos mais profundos autores, vemos um período nublado de cada um. Cheguei a conclusão que este período é parte irrecorrível da vida do ser humano, portanto, impossível de impedir.

    Aproveitando, gostaria de indicar um dos meus autores favoritos, que me ajudou muito em meus períodos nublados e acho que você pode se identificar muito com os escritos profundos expressados de forma simples: Rubem Alves. =)

    Tenho algumas reflexões sobre alguns trechos no meu blog.

    Boas descobertas para você. E mantenha em mente que este período será o mais importante da sua vida, para o seu crescimento. Então… veja com bons olhos, apesar da dor.

    _o/

  3. Pingback: Os números de 2010 « Casa de Espeto

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s