Arquivo mensal: maio 2010

Metareciclagem

Padrão

O post é antigo, o sentimento é o mesmo…

Lady Lory of The Highest Tower

Junto com toda a reclamação sobre a prática da escrita, da leitura e a falta que me faz minhas madrugadas, vêm as reclamações espirituais e místicas. Para quem não me conhece bem a fundo eu sou uma pessoa mística, na melhor forma possível.

Qual a melhor forma possível, você pergunta?

Uma forma que não seja totalmente alienada, nem absurdamente teimosa e cega, muito menos intolerante.

Voltando ao meu own personal misticism, eu cresci lendo sobre astrologia, holismo, espiritualidade em geral e práticas alternativas. Na adolescência fui bruxa, as if aquela que pratica as antigas artes espirituais e religiosas de comunhão com a natureza, o cosmo e, principalmente consigo mesma. Também tinha contato com o lado feminino da divindade e etc. e tal.

Claro, fazia feitiços. Envergonho-me um pouco, porque eu discutia com wiccas, mas orgulho-me de ter seguido passos mais guiados pelas práticas antigas pagãs do que por modismos modernos.

Sim, amo charmed até hoje. E lia senhor dos anéis e brumas de avalon. Gosto até hoje.

Comecei a ler tarot na adolescência também e a juntar astrologia com psicologia junguiana. Gostava de tópicos sobre meditações, embora não fosse capaz de tanta concentração – e ainda não o seja. Também lia muito sobre chacras. Me instiga até hoje o potencial humano espiritual, o que algumas práticas fazem com um indíviduo que o transforma de uma forma alquímica.

Adoro símbolos e contos de fadas e mitologia. Já pratiquei muitas coisas místicas e espirituais, algumas ainda pratico. Já vi fantasmas, já fiz brincadeira do copo. O mundo além sempre foi meu mistério favorito.

Infelizmente esses portais em mim são bastante fechados hoje em dia. Uma medida que tomei para me proteger e que não sei muito bem como reverter. Ainda leio tarot e interpreto astrologia, mas confesso que a intuição não é mais um grande fator em nada disso (astrologia não tem nada a ver com intuição, por sinal). Não vejo mais fantasmas também, disso não sinto falta.

Mas sinto falta de me conectar com mistérios e ter fé suficiente para correr atrás deles. Mas, como me prometo mais estudar essas coisas ocultas, que eu até poderia usar para meus livros, se não ando estudando nem pro concurso?

Se bem que estou de saco cheio de direito e história e não de taromancia. =) (ando com saco cheio de tudo hoje)

Lina´s Song

Padrão

Segunda etapa do processo já foi iniciada. Para quem não lê meu Depressions Diaries, eu estou lutando contra uma depressão “velocidade 6” (como diria a Laura), com os métodos clássicos de medicamento, terapia e atividade física (e muito 30 seconds to mars).

A segunda etapa seria, então, terapia. Comecei essa semana, na segunda-feira e já tive mais uma outra sessão hoje, quarta. A clínica é linda, me senti muito bem lá e gostei do bisigólogo (piada interna, não com o psicólogo, though). Uma das questões importantes para mim é que meu terapeuta não ficasse muito somente no verbal comigo. Não adianta, e acho que meu cérebro já trabalha demais nessa vida. Não sei fazer minha mente calar a boca, então, uma terapia só no verbal/mental seria um loop eterno.

Feito. Hoje mesmo tratamos da minha estafa mental e de como esforçar o corpo, cansar o corpo, acaba me revitalizando. Então, acredito que a etapa 3 do meu tratamento intensivo tem mais que começar logo, exercícios físicos para fazer minha mente descansar e meu corpo cansar.

Outra coisa que vem muito pra mim, e que já tocamos no assunto é a raiva e eu estou em um dos meus momentos raivosos. Sei lá de onde vem isso e nem para onde vai, mas ando sentindo raiva o tempo todo, de tudo, de mim, da vida, do sistema, do aquecimento global, das pessoas estúpidas. Não sou muito boa em colocar isso para fora e acho que isso me envenena e me esgota. De alguma forma, estou na minha fase de que eu quero é fazer o que eu nunca tive dinheiro nem iniciativa e isso inclui pintar o cabelo e fazer tatuagem.

Agora, me digam, pinto tudo de vermelho ou só mechas?

Anyway, voltando às minhas filosofias de deprimida… A teoria é que parte da minha depressão seja uma raiva reprimida, que não tem um escape saudável que seria o escape do corpo mesmo. O do sentir a raiva no corpo e joga-la para algum lugar. Não é necessariamente bater em alguém, ou quebrar alguma coisa (andamos, eu e Gus, com vontade de queimar algo ou alguém, bora? ), mas, sei lá, expressá-la não reprimi-la.

Eu tenho raiva. Raiva e tristeza. É meio difícil dizer de onde vem isso porque parece vir de muitos lugares. Desde coisas gerais como, eu tenho raiva de mim mesma por não conseguir fazer minha vida andar pra frente e sou triste por ter uma vida incompleta; até específicas como eu tenho raiva de estar em Goiânia e estou triste por não ter um namorado.

Acho que eu sou mesmo uma pessoa sensível demais e dramática, mas não há nada de errado com isso, é como eu sinto e vejo o mundo, entretanto, contudo e todavia, eu não me expresso assim, eu me reprimo, eu tenho medo do que as pessoas vão achar e falar. Se eu mostrar pro mundo inteiro minha raiva, meus dramas e o como eu PRECISO de coisas que a maioria das pessoas acham supérfluas (músicas, beleza e simetria, chocolate, viver dentro da minha cabeça, ver meus filhotes virem para o mundo real) ninguém vai me aguentar.

Já disse que eu estou com cansaço mental crônico, não é mesmo? Uma das coisas que me impedem de escrever como eu gostaria é o ruído, o bando de informações voando na minha cabeça, eu não consigo focar em um, eu não consigo desligar e ver só aquela coisa que eu quero criar. Não consigo relaxar ou escrever um post direito.

Crash, crash, burn, let it all burn…

Eu posso vir aqui e vomitar um post, não posso fazer o mesmo com meus livros. ..

E, pra finalizar, 30 seconds to mars pra vocês =*

Depression Diaries 6

Padrão

Bem… Aqui estou eu de volta a Gyn com Tônica City. Meu quarto está cheio de caixas e eu ando bastante a pé.

Meu estado depressivo anda interessante. Eu choro umas 3 vezes por dia, mas acho que é quando estou desocupada. Ontem, domingo, eu não chorei e foi um dia divertido, vi a família, assisti uma apresentação da orquestra em uma pracinha agradável e vi Homem de Ferro 2. Hoje, chorei na médica. Muito. Quase chorei no caminho para a médica e tive um pouco de falta de ar ao acordar. Mas, foi tudo controlável.

Meus remédios ainda estão em estágio de muitas mudanças. Minha receita dessa vez foi bem diferente, alguns remédios a mais… Vai ficar mais caro, mas, é pra isso que eu vim pra cá, né? Também vou passar a comparecer ao consultório de 15 em 15 dias. E continuo com o telefone residencial da médica.

Amanhã vou entrar no assunto terapia. Conversar com uma colega sobre a delícia que eu estou e ver quem ela me recomenda como terapeuta. Também já estou vendo academia. Estamos todos aqui bastante empenhados em melhorar minha saúde emocional.

Enquanto isso… Alguém sabe me dizer se uma pessoa pode aprender a desenhar bem sendo ela assim… Um de-sas-tre pra desenhar qualquer coisa?

Eu queria….