Arquivo mensal: setembro 2009

A Estressada

Padrão

A fonte do meu pc morreu. Mefistófeles, meu fiel notebook está sem fonte de energia. Eu estou sem fonte de vida. Se eu já estava com problemas porque não estou acostumada com uma vida ocupada de oito horas de trabalho, sem computador, eu sou o mau humor.

E hoje é O DIA dos seriados. Fringe, Grey´s anatomy, Vampire Diaries, Flashforward. Me explica como eu vou suportar minha vida sem Mefisto?!!

Tales of a Busy Life

Padrão

Então.

Agora eu trabalho, aprendo a dirigir e escrevo um livro ao mesmo tempo. Obviamente o terceiro é o mais prejudicado, mas, aqui estamos nós, lendo Penny Lane, reescrevendo capítulos, definindo objetivos.

Eu sou acostumada a ficar em casa a maior parte do tempo. Acordar tarde, dormir tarde. Quando minha vida está muito agitada é quando estou estudando, trabalhando em casa, tendo compromissos sociais. Trabalhar oito horas, acordar às seis e quinze, usar minha hora do almoço para aprender a dirigir (algo não intelectual e que requer psicomotricidade o que é um dos meus pontos fracos), pegar ônibus na rodoviária pra vir pra casa… Ainda estou achando tudo isso estranho.

Ao mesmo tempo que eu não aguentava o tédio existencial da minha vida e que fazer uma coisa diferente está me deixando mais disposta, não me conformo em não conseguir existir e ser produtiva quando chego em casa. É em casa que eu faço as coisas que eu gosto e não admito que essas coisas sejam feitas somente nos fins de semana.

Se não fosse o café, o que seria de mim? Com ele já não ando sendo muito. Hoje, por sinal, elaborei mais uma daquelas minhas teorias precipitadas que são feitas com apenas uma experiência. Tomei um café grande e concentrado hoje de manhã e na hora do almoço. Fiquei ligada na tomada. Me pediram para falar mais devagar umas dez (cinco) vezes lá no trabalho. Quando entrei no carro da autoescola e parei, percebi que eu estava sentindo todo o meu ser vibrar. Juro. Fazia muito tempo que eu não reagia assim ao café (tomo desde criança, sou resistente).

Partindo do princípio que eu sou ruim de roda por não ter uma conexão muito boa entre minha mente e meu corpo e tentar fazer as coisas rápido demais – acabo falhando no controle de embreagem, freio bruscamente e confundo os pedais quando tenho que reduzir em um curto espaço-tempo – achei que o café fosse me deixar pior. Mas, olha só, fiz tudo certinho. Café realmente é a oitava maravilha do mundo. Ou melhor, a primeira. E eu realmente sou quase uma Gilmore Girl. Tudo fica melhor regado a café.

Mas… Voltando ao livro.

Para aqueles que não liam esse abandonado blog na época dos fassssssscículos de Penny Lane, eu antes tinha um blog onde publicava os capítulos (em fascículos) do meu livro Penny Lane (There Beneath the Blue Suburban Sky). Antes ele tinha o status de “último a ser criado, primeiro a ser escrito” (já que eu carrego minhas idéias na cabeça, e só na cabeça, desde os dez ou doze anos). Hoje em dia ele não é mais o último a ser criado, mas, com certeza será o primeiro a ser escrito.

Se Deus me ajudar a me disciplinar, ainda esse ano ele estará finalizado e depois eu irei editá-lo e ver o que diabos eu faço com ele. Corro atrás de editora, procuro traduzir com uma ferramente de tradução, mando para editoras do Brasil e do mundo, publico na internet, imprimo e distribuo pra família? Seja lá o que for, toda noite eu deito nessa cama, coloco Mefistófeles (meu lap top) no colo e escrevo, ou crio, ou faço brainstorms. Eu trabalho. Me esforço. Às vezes sofro, mas, muitas vezes me divirto. Infelizmente, o tempo é pouco. Tinha planejado cinco horas de dedicação, mas, a verdade é que eu tenho cinco horas pra isso só em teoria.

Às vezes o maldito ônibus caótico e randômico do Lago Norte me rouba uma boa meia hora. Às vezes eu fico no trabalho mais um pouco simplesmente porque demorei demais pra chegar da auto-escola, ou tive que passar em algum lugar e por isso acabei saindo mais tarde do trabalho. Além disso, eu tenho que jantar, tomar banho, ter minha parte de socialização com a minha irmã-amiga-alma-gêmea-Tininha e, claro, perder um tempo básico na televisão ou no computador. Porque meu cérebro simplesmente pára e demora pra pegar no tranco.

Pessoas produtivas no tempo livre em dia de semana é mito? Será que eu consigo colocar isso em prática?

Espero que hoje eu consiga porque eu preciso ficar acordada até meia noite pra baixar Fringe. E enquanto eu espero as boas pessoas colocarem suas gravações das HDTVs da vida no isohunt, eu escrevo.

E engano o sono.



Sayonara.