Arquivo mensal: novembro 2007

Padrão

Meu horóscopo falou que eu não preciso compartilhar cada pensamento brilhante meu.

Então vamos aos não brilhantes: Hoje eu queria morrer e nascer de novo. Outra pessoa. Completamente diferente.

Muito obrigada pela atenção,

Atenciosamente,

Equipe Casa de Espeto.

Anúncios

Padrão

Celebrity Death Match

O (não) problema da minha amizade com a Ludwila é que é ruim mas é bom, é produtiva mas não presta, é cultural mas também é fútil. Ela me manda mensagem ontem testando o canal de comunicação e nós combinamos de falar na internet para fazer um brainstorm para o livro do projeto final dela.

Fizemos. E foi ótimo. Se ela precisar de escritora, me estresso um pouco mais e faço só porque amei o tema. Mas, o xis, ípsolon, zê da questão é que ficamos até três horas da manhã na conversa, mas não foi sobre TCC. Foi sobre Celebrity Heritage. É, a modinha da internet no momento, você vai na página, pega sua fotinha e eles comparam com as fotos de celebridades.

Fiz com duzentas fotos minhas, sem contar com a dos outros. A verdade é que minhas porcentagens não são muito altas, sou um rosto único (ou minhas fotos são todas conceituais demais), e que Ludi e eu queremos matar Alce que deu porcentagens altíssimas com as mulheres mais gatas do mundo. Pra compensar, rola uma foto minha que eu pareço muito com o Marlon Brando e com o doutor Luka do E.R, namorado malvado da Nicole Kidman em Da Magia à Sedução. Eu seria um homem gato….

Tem uma também que eu me orgulho, em que eu pareço o Bob Marley =D~~~~ (não é baba, é fumacinha)

E agora as que eu pareço com algumas mulheres bonitas e infelizmente, de leve, com a Kelly Osbourne =/~

A que eu gosto de verdade é a que eu pareço com a Garofalo e a Penelope Cruz fazendo biquinho… Penelope saiu muitas vezes, disse que eu sou a Sofia de Vanilla Sky ;D~

e por último, eu fantasiada de Morte \o/

Padrão

Saúde Social

Ter uma vida social divida é uma coisa estranha. Em Goiânia eu tinha UMA amiga, vestibulanda, e infelizmente com um problema de timing comigo. Ela faz aniversário em dia que eu só quero meus livros e a TV e eu faço aniversário a uns 15 dias do vestibular dela. Ah, eu tinha o Gustavo também, mas onde o Gustavo mora mesmo? Cadê o Gustavo mesmo? Quem é esse cara, afinal? Será que eu sonhei que ele existia?

Então, aí, a minha vida social intensa é aquela que foi construída em sete anos de vida candanga. Amigos e mais amigos a mais de 200 Km de mim, e eu sem poder ir pra Brasília, porque a virtude de conseguir aproveitar meu tempo lá para o TRABALHO é algo que eu sequer sei se é possível.

Coloca aí na equação que o resultado é um mês de all work and no fun makes jack a dull guy. Hm… Ou mais de um mês…

Mas é aí que entra um dos primeiros elementos da vida social adulta: os colegas de trabalho! Tadã! Ha! Arranjei um bando de amigos que, mesmo se eu for a velha do grupo e dizer “então, vou pra casa corrigir teste!”, pelo menos antes e depois (e quem sabe durante) as reuniões a gente se diverte horrores. E tem festinhas em que eu tomo aquele porre.

E tem amiga de irmã, que sempre gostou de me adotar, combinando leituras de tarô, massa com vinho e conversas agradáveis. Sem contar o bando de convites que eu tive que recusar devido à minha fase super caseira.

Então, já tenho convite pra dançar no sábado e bebemorar o aniversário de madrugada, tomar sorvete de tarde e vinho e jantar de noite. E quando eu for pra Brasília, será que alguém gostaria de comemorar meu aniversário comigo? Porque eu estou morrendo de saudades de todos!

Padrão

WishList

Me faz feliz nesse domingo, ou depois, ou por tempos imemoriais ainda…. Dia de princesa em salão de beleza, voltando a ter meu cabelinho repicadíssimo da moda e a sensação de renovação que é ser cortada, espremida, pintada, escaldada e sair do local meio avermelhada mas a alguns minutos de estar ainda mais linda. Me faz feliz chuva constante, com brisa leve que não te obrigue a fechar a janela do quarto, ler o livro que eu escolher, estudar o que eu quiser, no prazo que me agradar. Conversar por horas no msn com alguém que não vejo faz tempo com webcam ligada (minha webcam não funciona por que?) fazendo campeonato de caretas. Falar no telefone sem preocupação com a conta e contar piadas ou qualquer pensamento solto. Por horas…

Me faz feliz ter dívidas pagas e prazos atendidos, sentimento de dever cumprido. Me faz feliz tomar sorvete de tarde e vinho à noite. Ganhar roupa bonita e sapato fashion mas desconfortável. Fingir que minha gata é cachorra e passear de coleira na rua. Me faz feliz receber livro pelo correio, scrap meloso de quem não demonstra sentimentos, ligação de quem achou que tinha me esquecido, email grande de quem fala pouco, visitas inesperadas.

Me faz feliz acordar tarde, estar com a casa arrumada, com a geladeira cheia de frutas, as roupas limpas e passadas. Me faz feliz falar com mãe, pai e irmão e abraçar irmã até ela dizer chega. Me faz feliz ver desenho com sobrinho e sair com amigos.

De presente de aniversário, ficaria feliz com noites mais longas e dias mais frescos, 48 horas por dia, direito a dormir quatro vezes por dia. Dia. Me faz feliz escrever e escrever. Me faz feliz reviver o mundo que eu tenho na minha cabeça, fechar os olhos e esquizofrenicamente ver todos os personagens, que egoisticamente mantenho como exclusividade minha, cantando parabéns com bolo de chocolate recheado com os morangos mais vermelhos já vistos, colhidos na hora em Strawberry Fields.

Me faz feliz ouvir e cantar 137 músicas dos Beatles e ter uma reunião com cada turminha de amigos que já tive. Me faz feliz tomar Heineken comendo pêra com gorgonzola e rúcula no pão sírio. E de sobremesa pêra ao vinho. Me faz feliz um inesgotável pé de pêra. E também um pé de tutti frutti. Me faz feliz um pára-quedas para gatos para que eu nunca mais tenha medo da Gigi morrer caindo do décimo quinto andar. Me faz feliz sair na rua e descobrir que o Demônio do Musical afetou toda a cidade e ninguém mais consegue se expressar a não ser dançando e cantando.

Me faz feliz descobrir que Gilmore Girls e Buffy não acabaram. Que a quarta temporada de Lost já está aí. Me faz feliz o décimo terceiro episódio da quarta temporada de The 4400 e um especial de três horas do Monty Python (ou Monthy Pyton, ou Monthy Python??). Com apresentação de Paulo Francis. Claro.

Me faria feliz que Goiânia e Brasília fosse uma só cidade, que houvesse o teletransporte e que eu aprendesse as coisas na velocidade em que se faz no filme Matrix.

Me faz feliz Domingo durar três dias. Me faz feliz ter ânimo enlatado, super bonder pra coração partido e removedor de saudades. Me faz feliz sonhar muito, dormir muito, rir muito e não me preocupar com nada. Absolutamente nada. A não ser com qual filme eu vou ver agora.

Me faz feliz um mundo absurdo. Deliciosamente absurdo…